2 ações dos EUA pra comprar em 2020

investir exterior

Os setores de Energia e finanças têm sido tem apresentado um dos piores desempenhos durante esta pandemia. Mas ainda assim vale a pena comprar ações desses dois setores.

Compre na baixa e venda na alta. Essa é a ideia básica, não é? Para fazer isso, você precisa comprar ações quando estiverem na baixa e vendê-las quando estiverem na alta. Em outras palavras, você compra uma ação quando ninguém a quer e a vende quando todos querem. É mais fácil falar do que fazer.

As ações geralmente perdem o favoritismo por bons motivos. Quando o setor está em baixa e provavelmente não irá melhorar no futuro. Então quem quer ter uma ação dessas? Mas os setores afetados por alguma crise são as ideiais para encontrar empresas a preços bem abaixo do mercado. Os negócios irão inevitavelmente se recuperar para as melhores dessas empresas. É só uma questão de quando.

O mercado atualmente oferece muitas dessas oportunidades. Claro, os índices do mercado tiveram uma recuperação épica desde a forte desvalorização de março. 

Na verdade, o Dow e o S&P 500 não estão muito longe de um recorde histórico. O índice Nasdaq impulsionado por empresas do setor de tecnologia atingiu um recorde histórico. Mas esses índices podem ser enganosos. Muitas ações foram deixadas de fora da alta e ainda estão mergulhadas no esquecimento do mercado baixista.

Piores do S&P 500

Dos 11 setores de mercado do S&P 500, os piores desempenhos até agora neste ano são, de longe, os setores de Energia e Finanças. Na verdade, esses dois setores tiveram os piores desempenhos no índice nos últimos períodos de um, três e cinco anos.

De fato esses são setores cíclicos que não se dão bem em tempo de crise. Os preços do petróleo despencaram, após a queda da demanda causada pela pandemia. Na verdade a indústria já estava lutando com uma dinâmica de oferta / demanda desfavorável e a queda de preços foi só o estopim. Também não tem sido um período bom para os bancos. As taxas de juros caíram novamente para novas mínimas históricas e a demanda por empréstimos despencou durante a recessão.

Contudo a economia ainda precisa de petróleo e gás. Isso irá garantir a recuperação. Já sobre os bancos, eles exercem um papel crucial na economia e certamente encontrarão uma maneira de melhorar seus resultados conforme a economia se recuperar. Na verdade, o mercado está apontando para uma forte recuperação econômica nos próximos trimestres. Se isso se concretizar, a situação deve melhorar muito nesses dois setores em um futuro não muito distante.

Nesse sentido, quando o mercado enfraquece em um setor, ele tende a manter estável as ações de outros setores. Mas sempre algumas empresas são muito menos prejudicadas do que outras. Para investidores pacientes, pode ser um bom momento para buscar as melhores ações desses setores.

1- Chevron (CVX)

A Chevron é uma das maiores empresas integradas de petróleo e gás do mundo, com operações em todo o mundo. A empresa está envolvida em todas as facetas da indústria de energia, mas a receita é fortemente direcionada para a exploração e produção.

A Chevron está fortemente exposta aos preços do petróleo e gás. No entanto, pode compensar os preços mais baixos porque opera com custos mais baixos e margens mais altas do que outras grandes petroleiras.

O difícil mercado de energia dos anos anteriores tornou esta empresa enxuta e forte, apresentando mais solidez quando as coisas mudam e a incerteza chega. O custo das despesas operacionais de negócios da Chevron caiu de US $ 18 em 2014 para menos de US $ 10 hoje. 

Com isso vale destacar que, as ações tiveram retornos positivos em meio ao banho de sangue do setor de energia de 2014 a 2016. Por isso deve ser capaz de se manter relativamente bem durante a autal desaceleração. Agora pense no resultado disso quando as coisas melhorarem.

A Chevron é especial

Todas as grandes empresas de petróleo serão beneficiadas se e quando a economia e o setor melhorarem. A Chevron é especial porque está em melhores condições para suportar a crise do que qualquer outra grande empresa de petróleo. Ela entrou em grande forma nesta recessão. A empresa investiu pesadamente em projetos de crescimento nos últimos anos e reduziu os gastos de capital.

Também carrega menos dívida do que suas concorrentes, ostentando uma melhor relação dívida / patrimônio de 0,25 do setor. Ele também tem uma sólida posição de caixa, um baixo índice de pagamento e a capacidade de preservar o caixa. Por exemplo, a empresa cortou gastos com projetos em US $ 4 bilhões.

A empresa pode gerar lucro rapidamente conforme as coisas melhoram e tem uma forte alavancagem para se beneficiar no futuro. Tem vários projetos que recentemente entraram em operação e atualmente lidera o crescimento de produção entre os concorrentes. A Chevron também tem uma presença enorme e crescente na Bacia do Permian, a maior região produtora de óleo de xisto dos Estados Unidos e, de longe, a região de petróleo de crescimento mais rápido no mundo.

As ações caíram 27% até este ano e atualmente estão 35% abaixo da alta de 2018. O preço barato aumentou o rendimento de dividendos para 5,7% altamente atraentes.

Chevron

A Chevron, com sede nos Estados Unidos, é uma das grandes empresas mundiais do ramo energético, especialmente petrolífero. É uma Supermajor, ou seja, uma das maiores empresas petrolíferas do mundo, integrando o chamado Big Oil, o lobby da energia, que desfruta de grande poder econômico e influência política, especialmente nos Estados Unidos.

2- Bank of America (BAC)

O Bank of America é uma das maiores instituições financeiras do mundo. É enorme, com mais de US $ 2,3 trilhões em ativos. O banco está envolvido em todas as facetas do setor financeiro, desde hipotecas de negócios e consumidores, empréstimos, cartões de crédito e coleta de depósitos até a gestão de patrimônios de sua subsidiária Merrill Lynch.

O BAC tem grande escala e escopo, com uma grande rede de banco de varejo, uma presença importante na emissão de cartões de crédito, operações comerciais de primeira linha e um banco de investimento de primeira linha. 

E a ação está barato. Com uma queda de 29% até agora este ano e 60% desde a alta pré-crise financeira, a ação está sendo vendida a uma relação preço / lucro de apenas 11, em comparação com uma média de cinco anos de 13,5 e 22 para o mercado geral.

Obviamente, este é um banco que permanecerá no mercado durante a recessão e se beneficiará quando a economia se recuperar. Mas há algo mais. A crise financeira foi um desastre para o setor bancário. Como resultado, os bancos tiveram uma péssima recuperação em meio ao mercado em altista desde 2009. Os bancos estão em uma forma muito mais forte nesta recessão e devem ter um desempenho muito melhor na recuperação e no mercado em alta desta vez.

O BAC passou grande parte da última década se recuperando da ressaca da crise financeira e de suas próprias aquisições mal concebidas. Ele aprimorou suas operações e se tornou muito mais enxuto. Antes da recessão, a lucratividade aumentava rapidamente.

De fato as ações do Bank of America indicam que os preço estão prestes a se beneficiar quando a economia se recuperar.

Bank of America

Bank of America é um dos maiores bancos americanos e tem sede em Charlotte, Carolina do Norte. É a segunda maior holding bancária nos Estados Unidos. Desde 2010, o Bank of America é a quinta maior empresa americana em termos de receitas totais, e a terceira maior empresa não petrolífera dos Estados Unidos. A revista Forbes lista o banco como a terceira maior empresa do mundo.

Faça parte do melhor grupo de Investidores Globais: clique aqui Para receber as melhores recomendações diárias, siga nossas redes sociais:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *