Inflação nos Estados Unidos: devo me preocupar?

Inflação

A inflação nos Estados Unidos esta começando a mostrar suas garras, mesmo que de forma bem branda no momento, mas será que devemos nos preocupar com o risco da inflação? Confira agora.

A inflação

De forma bem resumida, a inflação é a desvalorização de uma moeda. Em outras palavras, usando o mercado financeiro de exemplo. Se um investimento render 5%, enquanto a inflação no mesmo período rende 10%, na realidade, você está perdendo dinheiro.

Assim, por décadas, a inflação foi o bicho-papão escondido debaixo da cama dos investidores… Mas nunca revelou totalmente seu rosto. Contudo, depois de um ano de estímulo fiscal descontrolado nos EUA, que expandiu drasticamente os balanços do banco central, o medo dos investidores está mais perto de se tornar realidade. Por isso, pode ser a hora de considerar investir em proteção contra a inflação.

Assim, já vimos os primeiros sinais de inflação na forma de preços de commodities e rendimentos do Tesouro mais altos – ambos os quais tendem a refletir as expectativas da inflação.

Os custos de alimentos e combustível também aumentaram este ano nos EUA, junto com outros preços de mercado. Dito isso, é fundamental saber quais ativos tendem a ter um desempenho superior em um ambiente inflacionário, pois isso pode melhorar drasticamente o retorno do seu investimento e protegê-lo da devastação da inflação.

Contudo, antes de entender como se proteger da inflação nos EUA, é preciso realmente entender o que a inflação.

O que é a inflação?

A inflação, de forma bem resumida, é o aumento de preços generalizados. Ou seja, quando você vai ao mercado e percebe que seu suco favorito está mais caro. Se anteriormente com R$ 10 você poderia comprar duas caixas, hoje, com os mesmos R$ 10, você leva apenas uma caixa para casa. Assim, este é o processo de desvalorização da moeda

.

Agora considerando um cenário Macroeconômico, este fenômeno acontece principalmente pelo excesso de moeda em circulação em uma economia. Para entender melhor vou te dar um exemplo hipotético bem prático:

Considere que existem apenas 4 sacos de arroz de 25 reais em um mercado. Um cliente chega e percebe que com 100 reais ele pode comprar os 4 sacos. Contudo caso ele tivesse ido com 200 reais, ele ainda levaria 4 sacos, já que não terá mais arroz naquele mercado para atender a demanda.

Ou seja, com o dobro do dinheiro, ele conseguiu comprar a mesma quantidade de arroz, caso ele leve R$ 300, ou R$ 400, continuaria apenas 4 sacos. Mesmo oferecendo 400 reais ainda teriam 4 sacos, ou seja, um saco valeria 100 reais, um número bem maior que os R$ 25 iniciais. Em outras palavras, não importa a quantia, se não produzirem mais arroz, ele poderá comprar apenas os 4 pacotes existentes.

A inflação monetária leva em conta esse fenômeno, por isso, mesmo com um excesso de moeda, se as relações de produtividade de um país não acompanharem o aumento da moeda, a inflação ocorre e a moeda perde seu poder de compra.

Realmente devo me preocupar?

A inflação americana, a curto prazo me parece mais com uma pequena pedra no sapato do que realmente uma verdadeira dor de cabeça.

Contudo o risco existe, e uma inflação alta pode trazer uma série de impactos.

Em um resumo simples, vamos lembrar a relação da inflação e politicas econômicas, e por fim, como estas relações afetam a economia, e por fim seus investimentos.

Parece complicado, mas na realidade é bem simples.

Em um cenário inflacionário, os países tendem a adotar medidas contracionistas na política econômica. Em outras palavras, o governo toma medida para reduzir a produção de uma economia. Mas no que isso afeta a inflação?

A principal ferramenta econômica para estas manobras, é a taxa de juros. Aqui no Brasil é a famosa Selic.

Esta taxa básica de juros representa o crédito numa economia, em outras palavras, subir a taxa de juros, significa deixar mais caro a produção. Ou seja, dificultar o acesso ao crédito.

Então, agora você pode perceber que, se a produção está mais cara, e que é mais difícil produzir, uma empresa produzirá menos certo?

A redução da produção aumenta escassez do mercado, segurando a inflação de oferta, causada por uma possível superprodução, como a causada pela política de incentivos do governo Americano.

Contudo, apesar de boa para economia, o aumento da taxa de juros pesa diretamente na rentabilidade das empresas, e em decorrência, em suas ações.

Por isso, aos mais conservadores, talvez seja o bom momento de usar estrategias de investimentos mais protetivas:

Como investir em commodities, ouro, prata. Além de setores que passam com menos riscos em um cenario inflacionario.

Não deixe de clicar aqui e conferir 3 ETFs feitos exatamente para proteger seus investidores da inflação.

Faça parte do melhor grupo de Investidores Globais: clique aqui Para receber as melhores recomendações diárias, siga nossas redes sociais:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *