Atenção: Ouro registra nova alta de todos os tempos

ouro preco

Você lembra que antes da pandemia o preço do ouro estava despencando? Porém, agora, poucos meses depois o preço do ativo disparou e atingiu uma nova alta de todos os tempos. Quer saber o motivo? Continue lendo abaixo.

De fato tem sido intrigante todo o colapso que o vírus provocou na economia global. E ainda há quem diga que toda essa história de vírus não passou de uma “farsa”. Mas o que nós investidores temos certeza é que a pandemia de coronavírus causou uma grande explosão no preço do ouro. Fazendo o valor do ativo disparar e atingir o nível de preço que o mercado nunca viu. 

No fechamento das negociações em Nova York na sexta-feira, o ouro havia subido para US$ 1.902,02 a onça. Cerca de 30% a mais do que a mínima atingida em março e apenas 1% do recorde registrado em 2011. Contudo hoje o preço do Ouro é de US$ 1937,78. Segundo analista a recomendação é: Comprem Agora.

Pandemia e Pânico

De fato a pandemia desencadeou um pânico no mercado, o que alimentou uma grande busca por ativos de segurança como o ouro. Todo o medo gerado pelos lockdowns ordenados pelo governo e a decisão dos banqueiros de promover pacotes de estímulo nunca visto antes na história, com o FED e demais banqueiros centrais imprimindo dinheiro mais rapidamente do que nunca para financiar todos esses gastos.

Outros fatores que tem impulsionado com força o preço do ouro foi a queda dos juros nos EUA, que atualmente está num patamar negativo, a repentina desvalorização do dólar em relação ao euro e ao iene, além do aumento das tensões EUA-China.

Estagflação

Tudo isso atingindo o mercado está causando uma grande corrida do ouro. Segundo alguns especialistas todas as medidas de contenção a crise pós-pandemia pode causar uma estagflação (aumento da taxa de desemprego, combinado com inflação aumento contínuo de preços) em diversas partes do mundo.

Exatamente nos EUA, onde o vírus ainda tem se mostrado forte e com a recuperação econômica ainda muito lenta. Essa questão de uma estagflação tem entrado no radar do mercado por lá. 

As expectativas dos investidores quanto aos números da inflação anual na próxima década, medida por uma métrica do mercado de títulos conhecida como breakevens, subiram nos últimos quatro meses após a queda em março. Na sexta-feira, atingiram 1,5%. E, embora isso permaneça abaixo dos níveis pré-pandêmicos e abaixo da meta de 2% do Federal Reserve, é quase um ponto percentual mais alto que o rendimento de 0,59% que os títulos do Tesouro pagaram nos últimos 10 anos.

O principal fator por trás do mais recente rali do ouro “são as taxas reais que continuam a cair e não mostram sinais de abrandar tão cedo”, disse Edward Moya, analista de mercado da Oanda Corp. 

O ouro também está atraindo investidores “preocupados com a estagflação e provavelmente garantirão ainda mais acomodação do Fed”. Explicou ele.

Corrida do Ouro

Os mercados de títulos dos EUA têm impulsionado toda essa corrida do ouro, que em tempos de crise é um hedge atraente, especialmente agora que os rendimentos dos títulos do Tesouro que eliminam os efeitos da inflação estão abaixo de zero. Os investidores estão procurando por reservas de valor.

De fato a corrida do ouro agora chegou ao Main Street. Os investidores de varejo entraram em ETFs apoiadas em ouro levando-as a atingir um período recorde de ganhos de 18 semanas consecutivas, a maior sequência desde 2006. Enquanto isso, o ouro registrou seu sétimo ganho semanal na sexta-feira, e os analistas não esperam que os aumentos terminem tão cedo.

“Quando as taxas de juros são zero ou quase zero, o ouro se torna atraente. Porque você não precisa se preocupar em não obter juros sobre o seu ouro”, disse Mark Mobius, co-fundador da Mobius Capital Partners, em uma Bloomberg. Entrevista na TV. “Eu estaria comprando agora e continuaria comprando.”

Os analistas preveem uma enorme alta do ouro há vários meses. Em abril, o Bank of America Corp. elevou sua meta de 18 meses para o preço do ouro para US$ 3.000 a onça.

“A pandemia global está dando um impulso sustentado ao ouro”, disse sexta-feira Francisco Blanch, chefe de pesquisa de commodities e derivativos do BofA, citando impactos que incluem taxas reais em queda, crescente desigualdade e produtividade em declínio. “Além disso, à medida que o PIB da China converge rapidamente para os níveis dos EUA, ajudados pelo crescente déficit nos casos Covid-19, uma mudança geopolítica tectônica pode se desdobrar, apoiando ainda mais a meta de US $ 3.000 nos próximos 18 meses”.

Alta do ouro pode ir até 2021

A ousada previsão do Bank of America foi feita depois que os preços do ouro caíram em março. Quando os investidores buscaram liquidez para cobrir perdas em ativos mais arriscados. Os preços se recuperaram rapidamente após um corte surpresa na taxa de referência do Fed e sinais de que o socorro econômico do coronavírus levaria a grandes esforços de estímulo dos governos e bancos centrais.

Não é a primeira vez que o ouro recebe ajuda de programas de estímulo do banco central. De dezembro de 2008 a junho de 2011, o Fed comprou US$ 2,3 trilhões em dívidas e manteve os custos de empréstimos próximos a zero por cento. Uma tentativa de estimular o crescimento da economia. Dessa maneira impulsionando o ouro para US $ 1.921,17 em setembro de 2011.

A crise de uma década atrás era sobre bancos, disse Afshin Nabavi, chefe de operações da refinaria e revendedora suíça MKS PAMP Group.

“Desta vez, para ser sincero, não vejo o fim do túnel”, disse ele, pelo menos até as eleições dos EUA em novembro.

Faça parte do melhor grupo de Investidores Globais: clique aqui Para receber as melhores recomendações diárias, siga nossas redes sociais:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *